segunda-feira, maio 17, 2010

agora já foi.
o dia branco dentro e fora. as lembranças esfumaçadas pelo tempo.

quando a gente se encontrou no mundo e era isso que fazia todo o sentido. o que tinha vindo antes e o que viria depois, tanto fazia, já que ali sim o encontro acontecia do jeito mais intenso, mais explosivo, mais certo. e que a gente era foda, exemplo pros outros, até. e que a gente se conheceu todos os dias. e eu esperava ansiosa a hora de chegar na escola livre. umas horas eram muito demoradas. eu queria mais era te ver, fazer as cenas com você, ficar junto no intervalo inteiro, conhecer sua casa, seus pais, interlagos. eu queria mais era viver com você todos os dias sem parar sem respirar, senão parecia que eu ia morrer. porque era tanto amor era tão certo tão justo, o encaixe, o tamanho, a conchinha, o banho, a tv no sofá, as viagens de carro. era tanta coisa em comum. as ideias.
as ideias de vida de arte, de luz, de cena, de nekropolis, de músicas, de estirpe, de club noir, e as discussões, e as inquietações, e a arte e a arte que faríamos juntos, a arte e o amor que faríamos juntos, pra sempre. e o nosso grupo de teatro. e o kenan. e a arte. e o amor.
aí que eu te achava um gênio. e acho ainda.
um gênio chato como todos os gênios são. egocêntrico.
aí que eu achava que juntos a gente ia botar pra quebrar.
você ia me dirigir. e me amar. pra sempre.

3 comentários:

Marizzaguiar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Marizzaguiar disse...

Como vc é foda,sofia! Fala tudo q sinto e quero expressar de alguma forma, mas não consigo nem passar para 1 simples papel!
TODO SUCESSO PARA VC ATRIZ&SCRITORA!

Marcela disse...

é sofia ...vc consegue escrever sentimentos !! e no é q é assim mesmo q é !!! rs.