terça-feira, fevereiro 23, 2010

Não me chame de lar
Não me dê segurança
Não me segure

Me espanque com seus beijos infernais
Implore por meu corpo que é bom demais para o seu

Me canse
Me exaura
Me sue
Me leve pra passear no seu corpo incansável
Insensível

Me dê leite pra dormir
Café quentinho ao despertar
Me cuide
Me cheire
Me lave

Durma enroladinho comigo e nem ouse tentar trepar
Me chame de sua mulher
Seu amor
Seu lar

3 comentários:

Piu Santa Sara disse...

não te chamo de lar
não te dou segurança
Não te seguro

te espanco com meus beijos infernais
Imploro por seu corpo que é bom demais para o meu

te canso
te exauro
te suo
te levo pra passear no meu corpo incansável
Insensível

sempre te dêi leite pra dormir
Café quentinho ao despertar
sempre cuido
sempre cheiro
sempre lavo

Durmo enroladinho com você e nem quero trepar
Minha mulher
meu amor
meu lar
nao quero desistir de você
só queria cuidar de você
te ver acordar todo dia
te ver não dormir
te deixar só na noite e te proteger com meu espirito
e não ter grana com você e chrarmos juntos
e sorrirmos
e contruirdesconstruir sem cessar

ravel cabral e jorge disse...

teu jeito de escrever está mudando. vc está mudando.

tavares disse...

caceta Sofiaaaa
muito bom esse.

falou por mim!
qndo o poema é bom, fala por todos