quarta-feira, agosto 12, 2009

estranha

estranha

em frangalhos tô acostumada

de migalha

em migalha

minha casa eu sou
entrada única do meu envoltório

estou cansada

minha cara

minha cara não me diz nada

lacre involuntário
porta pra parede

estanca

dança

sai daí criança

sai daí

estanca

costura o que sobrou de tripa
vê o que é que fica

e vai

e vai passear

4 comentários:

tavares disse...

vai, vai mesmo, vamos brincar! sô, to em buenossss!

Tadeu Renato disse...

Sofia, muito bom o poema, dá vontade de cantar...e o visula dele, espaçado, com uma palavra a cada passo, ritmo bom pra dançar!!!!

tavares disse...

satisfações requisitadas: agora já to no Rio...
buááá, quero voltar!!!

sofia disse...

Tadeu, é uma música mesmo! Eu escrevi enquanto fui cantarolando, e tem até uma melodia que depois eu te mostro!
Beijos